Posts Tagged apple

Já pensou em personalizar o seu IPAD?

As vendas do novo gadget(Ipad) da Apple estão a todo vapor, e com ele em mãos quem não gostaria de personalizar ? digo personalizar não só com fundos de tela e programas que tem a sua cara, mas sim personalizar o gadget por fora com seu estilo musical preferido, herói preferido ou até mesmo com uma criação própria… algumas empresas já estão divulgando o serviço que é na verdade uma impressão de vinil auto adesivo, que não prejudica (nem deixa marcas) no dispositivo.

seguem algumas personalizações divulgadas na internet:

quer saber mais ou ver mais pernalizações do IPAD acesse:
http://blogof.francescomugnai.com/2010/05/pimp-your-ipad-25-awesome-vinyl-decals/
fonte: Fracesco Mugnai

, , , , ,

1 Comentário

Será que a apple está desenvolvendo o seu próprio flash?

O motivo de tanta resistência ao Flash aos poucos vai se revelando. De acordo com o site Apple Insider, a Apple estaria trabalhando no desenvolvimento de seu próprio framework para aplicações na web, o “Gianduia”.

O site norte-americano diz que a tecnologia foi apresentada pela primeira vez no ano passado, na World of WebObjects Developer Conference, conferência independente que aconteceu paralelamente à Apple Worldwide Developer Conference, e seria basicamente “uma mistura do Cocoa, incluindo seu CoreData, com WebObjects escrito em Javascript”.

A Apple já estaria testando internamente a tecnologia em suas lojas de varejo Apple Store, no programa de pós-venda One to One e em seu serviço de suporte Genius Bar.

Como em carta oficial divulgada no final de abril, Steve Jobs havia criticado o Flash por ser uma ferramenta “100% proprietária” , o programa que ainda não tem data oficial de estreia será 100% aberto.

, , ,

Nenhum comentário.

A Cartada Final Steve Jobs X Adobe (Flash)

Salva galera ! ontem li trechos sobre as ultimas notícias entre os produtos da apple rodarem aplicativos em flash e consecutivamente utilizar esta tecnologia em seus aplicativos, eis que surge então uma carta oficial publicada pelo próprio presidente da maça a respeito deste assunto, eu (um simples mortal e super fã das duas empresas), confesso que sempre esperei a hora de rodar aplicativos e animações em flash no meu iphone e contava os dias para as duas empresas darem as mãos e acabar com esta novela “iphone  vai rodar ou não flash…“.

Após ler a carta eu tive que mais uma vez fazer reverência ao visionário Steve jobs, onde ele coloca a tecnologia nos caminhos onde ela deve estar, e ainda de lambuja nos da um toque do que vai funcionar daqui pra frente (ponto onde ele fala do uso do html5), pensando nisso pensei em publicar alguns artigos interessantes que eu já vi circulando na internet sobre HTML5 e poderiamos começar uma série de estudos sobre o assunto (mas isso é outra história kkk), o fato é que fica no ar a grande pergunta depois desta carta o que será do flash ? conheço muitos desenvolvedores que estavam com a mesma expectativa do que eu quanto inclusão do flash nas tecnologias móveis, porém o que irá acontecer ? nada muda e continuamos a desenvolver usando flash (e tendo um trabalho dobrado para replicar nossas aplicações quando utilizarmos ela em plataforma móvel), ou seguimos o conselho de Steve Jobs e vamos em busca do futuro (segundo ele) utilizando outras formas de interação e animação na web, ai fica uma boa reflexão.

Segue a carta escrita por Steve Jobs (e traduzida pelo site Olhar Digital):

A Apple tem uma relação de longa data com a Adobe. De fato, nosso primeiro contato foi quando os fundadores da Adobe ainda estavam na proverbial garagem. A Apple foi o primeiro grande cliente deles, ao adotar a linguagem Postscript da Adobe para nossa impressora laser. A Apple investiu na Adobe e deteve cerca de 20% da empresa por muitos anos. As duas empresas trabalharam juntas criando formas de exibição para desktops – e houve muitos momentos bons. Depois desses dias dourados, as empresas se separaram. A Apple mergulhou em sua experiência de quase morte, e a Adobe foi atraída pelo mercado corporativo com seus produtos Acrobat. Hoje, as duas companhias ainda trabalham juntas, atendendo nossos clientes de criação – os usuários de Mac correspondem a mais ou menos 50% dos compradores das Creative Suite da Adobe – mas, fora isso há poucos pontos de interesse comuns.

Eu quis colocar às claras algumas das nossas opiniões a respeito dos produtos Flash da Adobe, para que os clientes e os críticos possa entender melhor porque nós não permitimos o Flash nos iPhones, iPods e iPads. A Adobe afirmou que nossa decisão foi baseada apenas na visão de negócios – eles dizem que queremos proteger nossa App Store – mas, na realidade, ela é baseada em critérios de tecnoclogia. A Adobe alega que nós somos um sistema fechado, e que o Flash é aberto, mas de fato, é justamente o contrário. Deixe-me explicar.

Em primeiro lugar, há o “Aberto”.

Os produtos Flash da Adobe são 100% proprietários. Eles só estão disponíveis por meio da Adobe, e a Adobe sozinha é quem decide seus futuros aprimoramente, preços, etc. Ainda que eles estejam amplamente disseminados, isso não significa que sejam abertos, já que são controlados completamente pela Adobe e disponíveis apenas por seu intermédio. Sob praticamente todas as definições, o Flash é um sistema fechado.

A Apple tem muitos produtos proprietários também. Ainda que o sistema operacional para o iPhone, iPod e iPad seja proprietário, nós acreditamos firmemente que todos os padrões para a Web devem ser abertos. Em vez de usar o Flahs, a a Apple adotou HTML 5, CSS e JavaScript – todos padrões abertos. Todos os aparelhos móveis da Apple saem de fábrica com com a alta performance e o baixo consumo de energeia possibilitado por esses padrões abertos. HTML 5, o novo padrão da Web adotado pela Apple, Google e muitos outros,permite aos desenvolvedores criar gráficos avançados, tipologia, animações e transições sem depender de plug-ins para browsers de terceiros (como o Flash). O HTML 5 é completamente aberto e controlado por um comitê de padronização, do qual a Apple faz parte.

A Apple até chegou a criar padrões abertos para a Web. Por exemplo, a Apple começou com um pequeno projeto de código aberto e criou o WebKit, um mecanismo completo de rendererização, baseado em HTML 5, que é o coração do navegador Safari, usado em todos os nossos produtos. O WebKit foi amplamente adotado. O Google o usa para o browser do Android, a Palm também, a Nokia, e a RIM (Blackberry) anunciou que também vai adotá-lo. Quase todos os browsers para smartphones – à execeção dos Microsoft – usam o WebKit. Ao tornar a tecnolgoia do WebKit livre, a Apple criou um padrão para os navegadores móveis.

 Em segundo lugar, “A Web Integral”

 A Adobe disse repetidas vezes que os dispositivos móveis da Apple não conseguem acessar a Web em sua plenitude porque 75% do video na Web está em Flash. O que eles não dizem é que quase todo esse vídeo também está disponível num formato mais moderno, o H.264, e visível nos iPhones, iPods e iPads. O YouTube, que concentra cerca de 40% do vídeo online, brilha por meio de um aplicativo embarcado em todos os dispositivos móveis da Apple, com o iPad oferecendo provavelmente a melhor experiência de visualização do YouTube de todos os tempos. Agregue a isso os vídeos do Vimeo, Netflix, Facebook, ABC, CBS, CNN, MSNBC, Fox News, ESPN, NPR, Time, The New York Times, The Wall Street Journal, Sports Illustrated, People, National Geographic, and muitos, muitos outros. Os usuários do iPhone, iPod e iPad não estão perdendo muito vídeo.

Outra alegação da Adobe é que os dispositivos da Apple não rodam jogos em Flash. Isso é verdade. Felizmente, há mais de 50 mil jogos e título de entretenimento na App Store, e muitos deles são gratuitos. Há mais jogos e títulos de entretenimento disponíveis para iPhone, iPod e iPad que para qualquer outra plataforma no mundo.

 Em terceiro lugar, “confiabilidade, segurança e performance”

 A Symantec recetemente chamou a atenção para o fato do Flash ter tido um dos piores registros de segurança em 2009. Nós também sabemos que o Flash é a causa número um para “paus” nos Macs. Nós temos trabalhado com a Adobe para corrigir esses problemas, mas eles persistem já há vários anos. Nós não queremos reduzir a confiabilidade e a segurança dos nossos iPhones e iPads ao adicionar o Flash.

Além disso, o Flash não tem boa performance em dispositivos móveis. Já faz alguns anos que nós pedimos repetidas vezes que a Adobe nos mostrasse um bom desempenho do Flash em qualquer dispositivo móvel. Nós nunca vimos um. A Adobe disse publicamente que o Flash seria embarcado num smartphone no começo de 2009, depois na segunda metade de 2009, então na primeira metade de 2010, e agora eles dizem na segunda metade de 2010. Nós achamos que algum dia ele vai ser embarcado, mas estamos felizes por não ter esperado. Quem sabe qual será o desempenho?

 Em quarto lugar, “ a duração da bateria”

 Para conseguir fazer a bateria durar mais ao exibir vídeo, os dispositivos móveis precisam usar o hardware para decodificar o vídeo; decodificar em software requer muita energia. Muitos dos chips usados nos dispositivos móveis modernos têm um decodificador chamado H.264 – um padrão que é usado em todos os Blu-ray players e que foi adotado pela Apple, pelo Google (YouTube), Vimeo, Netflix e muitas outras companhias.

Ainda que o Flash tenha adicionado recentemente o suporte para o H.264, o vídeo em praticamente todos os sites que usam Flash depende de um decoder mais antigo, que não foi implementado nos chips móveis, e que precisar rodar no software. A diferença é gritante: num iPhone, por exemplo, vídeos emH.264 tocam por até 10 horas, enquanto vídeos decodificados via software exaurem a bateria totalmente em menos de 5 horas.

Quando os Websites re-encodam seus vídeos usando o H.264, eles podem servir o conteúdo sem usar o Flash. Eles são exibidos perfeitamente em navegadores como o Safari e o Chrome, sem precisar de plug-ins, e ficam ótimos nos iPhones, iPods e iPads.

Em quinto lugar, “ o Toque”

O Flash foi desenhado para PCs usando mouses, não para telas sensíveis ao toque. Por exemplo, muitos Websites em Flash se apóiam em “roll overs”, que abrem janelas pop-up ou outros elementos quando você posiciona o cursor sobre um lugar específico. A revolucionária interface multi-toque da Apple não usa mouse, e não há espaço para um “roll over”. A maioria dos sites que usam Flash terão de ser reescritos para se adaptar a dispositivos sensíveis ao toque. Se os desenvolvedores precisarão reescrever os Websites, por que não usar uma tecnologia moderna, como o HTML 5, CSS e JavaScript?

Mesmo que os iPhones, iPods e iPads rodassem Flash, isso não ia resolver o fato de que os sites precisarão ser reescritos para suportar dispositivos sensíveis ao toque.

 Em sexto lugar, a “ mais importante razão”

 Além do fato do Flash ser fechado e proprietário, ter grandes atrasos técnicos e não suportar dispositivos sensíveis ao toque, há uma outra e ainda mais importante razão para não permitirmos o Flash nos iPhones, iPods e iPads. Nós discutimos os apectos negativos de usar o Flash para vídeo e conteúdo interativo para os Websites, mas a Adobe também quer que os desenvolvedores adotem o Flash para criar aplicativos que rodem em nossos dispositivos móveis.

Nós sabemos por experiência dolorosa que permitir que uma outra camada de software se interponha entre a plataforma e o desenvolvedor resulta em aplicativos pobres, que limitam o desenvolvimento da plataforma. Se os desenvolvedores se vêem dependentes de ferramentas e bibliotecas de terceiros, eles apenas conseguem usufruir do avanço da plataforma quando e se essa terceira empresa resolver adotar as novas características. Nós não podemos ficar à mercê de uma terceira empresa decidindo se e quando ela vai disponibilizar nossos avanços para os desenvolvedores.

O cenário fica pior ainda se a empresa terceira oferece uma ferramenta de desenvolvimento para várias plataformas. Essa empresa terceira pode não adotar os avanços de uma plataforma a não ser que eles estejam disponíveis para todas as plataformas. Ou seja, os desenvolvedores só terão acesso ao mínimo denominador comum dos recursos. Novamente, nós não podemos aceitar um cenário em que os desenvolvedores se vejam probidos de usar nossas inovações e melhorias porque elas não estão presentes nos nossos competidores.

O Flash é uma ferramenta de desenvolvimento para múltiplas plataformas. Não é objetivo da Adobe ajudar os desenvolvedores a criar os melhores aplicativos para iPhones, iPods e iPads. O objetivo deles é ajudar os desenvolvedores a criar aplitactivos para múltiplas plataformas. E a Adobe tem sido excruciamentemente lenta para adotar os avanços das plataformas Apple. Por exemplo, ainda que o Mac OS X já esteja no mercado há quase 10 anos, a Adobe apenas o adotou plenamente (Cocoa) duas semanas atrás com seu CS5. A Adobe foi a última das grandes desenvolvedoras a atender plenamente o Mac OS X.

Nossa motivação é simples – nós queremos oferecer a mais avançada e inovadora plataforma para nossos desenvolvedores, e nós queremos que eles se apóiem diretamente sobre essa plataforma e criem os melhores aplicativos que o mundo já viu. Nós queremos melhorar continuamente a plataforma de modo que os desenvolvedores possam criar ainda mais incriveis, poderosos e úteis aplicativos. Todos ganham – nós vendemos mais aparelhos porque temos os melhores aplicativos, os desenvolvedores alcançam uma audiência e um conjunto de clientes cada vez maior, e os usuários são continuamente atendidos pela melhor e mais ampla seleção de aplicativos de qualquer plataforma.

 Conclusões

 O Flash foi criado durante a era dos PCs –para PCs e mouses. O Flash é um sucesso empresarial para a Adobe, e nós conseguimos entender porque eles querem levá-lo além do mundo dos PCs. Mas, a era móvel tem a ver com dispositivos de baixo consumo de energia, interfaces táteis e padrões abertos para Web – todas áreas que o Flash não atende.

A avalanche de produtores de mídia que oferecem seus conteúdos para os dispositivos móveis da Apple mostra que o Flash não é mais necessário para assistir vídeos ou consumiro qualquer tipo de conteúdo da Web. E os 200.000 aplicativos da App Store provam que o Flash não é necessário para que milhares de desenvolvedores criem aplicativos graficamente ricos, incluindo games.

Novos padrões abertos criados na éra móvel, como o HTML 5, vão predominar nos dispostivos móveis (e nos PCs também). Talvez a Adobe devesse focar mais em criar grandes ferramentas HTML 5 para o futuro, e menos em criticar a Apple por deixar o passado para trás.

Steve Jobs
Abril de 2010

Valeu pessoal, abraços e boas reflexões.

, , , , , , ,

1 Comentário